sábado, 30 de outubro de 2010

Como funcionam as Orações?

OBS: Em resposta ao nosso irmão, Flávio Cella, informamos que estamos estudando sua questão e assim que tivermos uma resposta formulada publicaremos na nossa página. Por isso aconselhamos que assine o nosso "feed" para receber todas postagens por e-mail. E que isto sirva de exemplo para todos leitores, que estamos aberto a perguntas e questões a respeito do Espiritismo.

É possível fazer pedidos através de orações ou simplesmente
mentalizando durante nossa vida e também quando estamos lá do outro lado. Você pode pedir a Deus, aos santos, aos anjos, aos espíritos de amigos, familiares e até mesmo a todos os espíritos bons que estejam próximos de você no momento.

Na verdade não importa para quem você pede. Seu pedido pode ser atendido por qualquer espírito bom. Lá do outro lado todos que trabalham pelo bem trabalham em conjunto, como se todos fossem um só. Ninguém se preocupa em receber os méritos das boas ações praticadas.

Em todas as colônias existentes sobre as cidades, encontramos departamentos específicos com equipes encarregadas de ouvir e registrar cada pedido.

Os pedidos podem chegar de duas formas nas colônias. Quando a pessoa possui muita fé o pedido é recebido diretamente na colônia espiritual mais próxima, normalmente sobre a cidade onde se está. Por isto é comum que se solicite orações às pessoas conhecidas que você sente mais fé.

Quando se faz o pedido sem fé este pode ser ouvido por espíritos bons que estejam próximos (podem estar a quilômetros de distância). Estes espíritos se encarregam de transmitir o pedido a colônia.

Na colônia o pedido é classificado em dois tipos: os pedidos viáveis e os inviáveis. Os viáveis serão analisados e poderão ser atendidos em sua totalidade ou parcialmente. Os inviáveis não são atendidos.

Exemplo de pedidos que são descartados por serem considerados inviáveis:
Pedido para ganhar em loterias e jogos de azar. Pedidos para que seu time preferido seja campeão. Pedido para que não descubram algum erro que você cometeu. Pedido para não estar grávida em uma situação de suspeita. Pedido para morrer. Pedidos que prejudiquem terceiros.

Exemplo de pedidos viáveis que são analisados e atendidos parcialmente ou totalmente:
Pedido de saúde. Pedido de cura de doenças. Pedido para amenizar sofrimentos. Pedido para eliminar vícios. Pedidos para se adquirir virtudes que não se tem. Pedidos para eliminar defeitos morais. Pedidos de força, paciência, sabedoria, justiça, paz, compaixão, etc. Podemos pedir por nós e também para outras pessoas. Pedir pelo próximo é considerado uma caridade e conta pontos positivos para quem pede.

Existem casos em que os pedidos são atendidos imediatamente. É o caso de alguém que sofre em seus momentos de morte e pede socorro, acolhimento, diminuição dos sofrimentos. O socorro logo virá para tentar ajudar. Alguns pedidos podem demorar algum tempo para serem atendidos já que para tudo existe um tempo certo. Nem sempre o que se pede hoje é o melhor para nós.

Um exemplo de pedido atendido parcialmente: É o caso do homem com câncer em fase terminal. Reza pedindo a Deus a cura. Como o momento de partir era aquele, nada poderia ser feito para recuperar o corpo e mantê-lo vivo. Mas o pedido é atendido parcialmente quando um equipe de socorro atende o enfermo o confortando, o tranqüilizando e transformando a inevitável morte em uma passagem tranqüila e sem sofrimentos maiores.

Grande parte dos pedidos é realizada dentro de igrejas, templos, cemitérios e no lar das pessoas. Nos locais onde são realizados cultos, missas, encontros religiosos das mais diversas religiões sempre existem numerosos espíritos bons preparados para ouvir os pedidos de ajuda. Estes espíritos estão sempre dispostos a ajudar e se sentem felizes fazendo isto. É o caso da basílica de Nossa Senhora de Aparecida que recebe milhares de pessoas por mês. Muitos são os espíritos seguidores de Maria que lá estão para ouvir e ajudar quem necessite, deseja e mereça receber ajuda. Espíritos maldosos vindos do Umbral tentam atrapalhar o trabalho dos espíritos bons, mas são repelidas por equipes destinadas as proteções dos fiéis e peregrinas.

Muitos pedidos chegam com promessas embutidas. No caso do pedido ser realizado a pessoa fica comprometida a realizar alguma tarefa ou penitência. Fazer promessas é absolutamente desnecessário. Os espíritos bons, os santos e Deus não pedem e não exigem nada em troca na hora de ajudar. É mesquinho acreditar que a relação entre homens e santos ocorre como uma negociação primitiva, onde eu te peço isso, e em troca eu te dou aquilo.




Existem pessoas que ao não cumprirem uma determinada promessa após ter sido realizado seu pedido, entram em crise, em depressão. Muitos morrem e continuam se sentindo mal por não ter cumprido a promessa. Quando se promete o único que se sente afetado é quem prometeu. Deus não pede nada em troca das coisas boas que faz, pois as boas coisas só são feitas quando o espírito ou a pessoa são merecedores devido ao arrependimento, a vontade de evoluir ou ao bem que já tem feito ao próximo.

Existem religiões afro-brasileiras que invocam espíritos de baixa vibração solicitando ajuda em troca de favores. Na maioria das vezes é oferecido alimentos, bebidas, cigarros, charutos e perfumes, em troca de determinado trabalho. Estes espíritos de baixo nível e ainda muito ligados a vida na Terra, sugam as energias destes presentes e se satisfazem com isto. Em troca tentam realizar o pedido e às vezes podem obter sucesso quando a vítima é uma pessoa de baixa vibração, ligadas a sentimentos como a raiva, vingança, egoísmo, vaidade, etc.

Nossa Senhora é o espírito de luz que mais recebe pedidos. Existem legiões de espíritos bons que trabalham como anjos de Maria atendendo quando possível as solicitações dos seus fiéis. Existem livros psicografados que relatam a existência de uma cavalaria de bons espíritos que percorrem o Umbral em busca de pessoas que pedem ajuda a Nossa Senhora.

Em resumo, antes de pedir devemos nos esforçar para atingir nossas metas. Quando fizemos o possível podemos e devemos pedir ajuda através de uma oração ou meditação. Este pedido pode ser feito a Deus, aos santos, aos anjos, aos espíritos bons. Se for um pedido viável, se você for merecedora e se o pedido irá trazer benefícios para você, ele é atendido ou parcialmente atendido. Somente os pedidos feitos com fé chegam até os locais responsáveis nas colônias. Os feitos sem fé podem ser recebidos por espíritos próximos que farão o pedido para você usando de fé. Não é necessário fazer promessas dando algo em troca quando o pedido é realizado. Só se pede reconhecimento e gratidão pelo pedido alcançado. E isto pode ser feito com uma oração de agradecimento com fé.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

10 Maneiras de Amar a Nós Mesmos

“Amados, amemo-nos uns aos outros porque o amor é de Deus; e qualquer um que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor .” (I João 4: 7,8)


01
- Disciplinar os próprios impulsos.

02 - Trabalhar, cada dia, produzindo o melhor que pudermos.

03 - Atender aos bons conselhos que traçamos para os outros.

04 - Aceitar sem revolta a crítica e a reprovação.

05 - Esquecer as faltas alheias sem desculpar as nossas.

06 - Evitar as conversações inúteis.

07 - Receber o sofrimento o processo de nossa educação.

08 - Calar diante da ofensa, retribuindo o mal com o bem.

09 - Ajudar a todos, sem exigir qualquer pagamento de gratidão.

10 - Repetir as lições edificantes, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, perseverando no aperfeiçoamento de nós mesmos sem desanimar e colocando-nos a serviço do Divino Mestre, hoje e sempre.

André Luiz
Livro: Paz e Renovação
Psicografia de Francisco Cândido Xavier

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Francisco Cândido Xavier (Chico Xavier)


Francisco Cândido Xavier (Pedro Leopoldo, 2 de abril de 1910 — Uberaba, 30 de junho de 2002), nascido como Francisco de Paula Cândido Xavier e mais conhecido popularmente por Chico Xavier, notabilizou-se como médium e divulgador do Espiritismo no Brasil.
O seu nome de batismo Francisco de Paula Cândido, em homenagem ao santo do dia de seu nascimento, foi substituído pelo nome paterno de Francisco Cândido Xavier logo que psicografou os primeiros livros, mudança oficializada em abril de 1966, quando chegou da sua segunda viagem aos Estados Unidos.

Nascido no seio de uma família humilde, era filho de João Cândido Xavier, um modesto vendedor de bilhetes de loteria, e de Maria João de Deus, uma dona de casa católica e piedosa.
Segundo biógrafos, a mediunidade de Chico teria se manifestado pela primeira vez aos quatro anos de idade, quando ele respondeu ao pai sobre Ciências, durante conversa com uma senhora sobre gravidez. Ele dizia ver e ouvir os espíritos e conversava com eles.

Francisco foi criado pela madrinha e antiga amiga de sua mãe, Rita de Cássia, que logo se mostrou uma pessoa cruel, vestindo-o de menina e batendo-lhe diariamente, inicialmente por qualquer pretexto e, mais tarde, sob a alegação de que o "menino tinha o diabo no corpo". Não se contentando em açoitá-lo com uma vara de marmelo, Rita passou a cravar-lhe garfos de cozinha no ventre, não permitindo que ele os retirasse, o que ocasionou terríveis sofrimentos ao menino. Os únicos momentos de paz que tinha consistiam nos diálogos com o espírito de sua mãe, com quem se comunicava desde os cinco anos de idade: o menino viu-o após uma prece, junto à sombra de uma bananeira no quintal da casa. Nesses contatos, o espírito da mãe recomendava "paciência, resignação e fé em Jesus" ao filho.

Em 1927, então com dezessete anos de idade, Francisco perdeu a madrasta Cidália, e se viu diante da insanidade de uma irmã, que descobriu ser causada por um processo de obsessão espiritual. Por orientação de um amigo, Francisco iniciou-se no estudo do espiritismo. No mês de maio desse mesmo ano recebeu nova mensagem de sua mãe, na qual lhe era recomendado o estudo das obras de Allan Kardec e o cumprimento de seus deveres. Em junho, ajudou a fundar o Centro Espírita Luiz Gonzaga, em um simples barracão de madeira de propriedade de um seu irmão. Em julho, por orientação dos espíritos seus mentores, iniciou-se na prática da psicografia, escrevendo 17 páginas. Nos quatro anos subsequentes aperfeiçoou essa capacidade embora, como relata em nota no livro Parnaso de Além-Túmulo, ela somente tenha ganho maior clareza em finais de 1931. Desse modo, pela sua mediunidade começaram a manifestar-se diversos poetas falecidos, somente identificados a partir de 1931. Em 1928 começou a publicar as suas primeiras mensagens psicografadas nos periódicos O Jornal, do Rio de Janeiro, e Almanaque de Notícias, de Portugal.

Em 1931, em Pedro Leopoldo, iniciou a psicografia da obra "Parnaso de Além-Túmulo". Esse ano, que marca a "maioridade" do médium, é o ano do encontro com seu mentor espiritual Emmanuel, "...à sombra de uma árvore, na beira de uma represa..." (SOUTO MAIOR, 1995:31). O mentor informa-o sobre a sua missão de psicografar uma série de trinta livros, e explica-lhe que para isso são lhe exigidas três condições: "disciplina, disciplina e disciplina". Severo e exigente o mentor instruiu-o a manter-se fiel a Jesus e a Kardec, mesmo na eventualidade de conflito com a sua orientação.

Em 1943 vem a público uma das obras mais populares da literatura espírita no país, o romance "Nosso Lar", o mais vendido e divulgado da extensa obra do médium que no ano de 2010 se tornou um filme. Este é o primeiro de uma série de livros cuja autoria é atribuída ao espírito André Luiz.

Durante toda sua vida, presenciou diversos casos, por causa de céticos, sofreu difamações e acusações, psicografou diversas obras, vindo a falecer aos 92 anos de idade em decorrência de parada cardiorrespiratória no ano de 2002. Conforme relatos de amigos e parentes próximos, Chico teria pedido a Deus para morrer em um dia em que os brasileiros estariam muito felizes, e que o país estaria em festa, por isso ninguém ficaria triste com seu passamento. O país festejava a conquista da Copa do Mundo de futebol daquele ano no dia de seu falecimento.

A história de Chico Xavier é muito grande, por isso tentamos resumir ao máximo aqui no blog, mas você pode conferir o resto clicando aqui.

Como todos sabem, em 2010 surgiu seu filme biográfico que se tornou sucesso de bilheterias em todo Brasil e em outros países. Confira o trailer:


Aqui no nosso blog, você também pode visitar nossa matéria sobre "Nosso Lar" clicando aqui.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Hippolyte Léon Denizard Rivail (Allan Kardec)


Hippolyte Léon Denizard Rivail (Lyon, 3 de outubro de 1804 — Paris, 31 de
março de1869) foi educador, escritor e tradutor francês. Sob o pseudônimo de Allan Kardec, notabilizou-se como o codificador do Espiritismo (neologismo por ele criado), também denominado de Doutrina Espírita.

O pseudônimo "Allan Kardec", segundo biografias, foi adotado pelo Prof. Rivail a fim de diferenciar a Codificação Espírita dos seus trabalhos pedagógicos anteriores. Segundo algumas fontes, o pseudônimo foi escolhido pois um espírito revelou-lhe que haviam vivido juntos entre os druidas, na Gália, e que então o Codificador se chamava "Allan Kardec".

Nascido numa antiga família de orientação católica com tradição na magistratura e na advocacia, desde cedo manifestou propensão para o estudo das ciências e da filosofia.
Fez os seus estudos na Escola de Pestalozzi, no Castelo de Zahringenem, em Yverdon-les-Bains, na Suíça (país protestante), tornando-se um dos seus mais distintos discípulos e ativo propagador de seu método, que tão grande influência teve na reforma do ensino na França e na Alemanha.

Como pedagogo, o jovem Rivail dedicou-se à luta para uma maior democratização do ensino público. Entre 1835 e 1840, manteve em sua residência, à rua de Sèvres, cursos gratuitos de Química, Física, Anatomia comparada, Astronomia e outros. Nesse período, preocupado com a didática, criou um engenhoso método de ensinar a contar e um quadro mnemônico da História de França, visando facilitar ao estudante memorizar as datas dos acontecimentos de maior expressão e as descobertas de cada reinado do país.
As matérias que lecionou como pedagogo, são: Química, Matemática, Astronomia, Física, Fisiologia, Retórica, Anatomia Comparada e Francês.

Conforme o seu próprio depoimento, publicado em Obras Póstumas, foi em 1854 que o Prof. Rivail ouviu falar pela primeira vez do fenômeno das "mesas girantes", bastante difundido à época, através do seu amigo Fortier, um magnetizador de longa data. Sem dar muita atenção ao relato naquele momento, atribuindo-o somente ao chamado magnetismo animal de que era estudioso, só em maio de 1855 sua curiosidade se voltou efetivamente para as mesas, quando começou a frequentar reuniões em que tais fenômenos se produziam.

Durante este período, também tomou conhecimento do fenômeno da escrita mediúnica - ou psicografia, e assim passou a se comunicar com os espíritos. Um desses espíritos, conhecido como um "espírito familiar", passa a orientar os seus trabalhos. Mais tarde, este espírito iria lhe informar que já o conhecia no tempo das Gálias, com o nome de Allan Kardec. Assim, Rivail passa a adotar este pseudônimo, sob o qual publicou as obras que sintetizam as leis da Doutrina Espírita.


Convencendo-se de que o movimento e as respostas complexas das mesas deviam-se à intervenção de espíritos, Kardec dedicou-se à estruturação de uma proposta de compreensão da realidade baseada na necessidade de integração entre os conhecimentos científico, filosófico e moral, com o objetivo de lançar sobre o real um olhar que não negligenciasse nem o imperativo da investigação empírica na construção do conhecimento, nem a dimensão espiritual e interior do Homem.
Tendo iniciado a publicação das obras da Codificação em 18 de abril de 1857, quando veio à luz O Livro dos Espíritos, considerado como o marco de fundação do Espiritismo, após o lançamento da Revista Espírita (1 de janeiro de 1858), fundou, nesse mesmo ano, a primeira sociedade espírita regularmente constituída, com o nome de Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas.

Kardec passou os anos finais da sua vida, dedicado à divulgação do Espiritismo entre os diversos simpatizantes, e defendê-lo dos opositores. Faleceu em Paris, a 31 de março de 1869, aos 64 anos (65 anos incompletos) de idade, em decorrência da ruptura de um aneurisma, quando trabalhava numa obra sobre as relações entre o Magnetismo e o Espiritismo, ao mesmo tempo em que se preparava para uma mudança de local de trabalho.

Frases e Citações Famosas de Allan Kardec:

"O verdadeiro Espírita não é aquele que crê nas manifestações, mas aquele que aproveita o ensinamento dado pelos Espíritos."

"Reconhece-se o verdadeiro Espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que faz para domar as suas más inclinações "

"Pelo espiritismo a humanidade deve entrar em uma nova fase, a do progresso moral, que é a sua consequência inevitável".

"Melhorados os homens, não fornecerão ao mundo invisível senão bons espíritos; estes, encarnando-se, por sua vez só fornecerão à Humanidade corporal elementos aperfeiçoados. A Terra deixará, então, de ser um mundo expiatório e os homens não sofrerão mais as misérias decorrentes das suas imperfeições."

"A Doutrina Espírita transforma completamente a perspectiva do futuro. A vida futura deixa de ser uma hipótese para ser realidade. O estado das almas depois da morte não é mais um sistema, porém o resultado da observação. Ergueu-se o véu; o mundo espiritual aparece-nos na plenitude de sua realidade prática."

"Nascer, Morrer, Renascer ainda e Progredir sem cessar, tal é a Lei."

"Fé inabalável é somente aquela que pode encarar a razão face a face, em todas as épocas da humanidade."


Lembrando, que no nosso blog, possuímos as Obras Básicas de Allan Kardec para download gratuito. Confira clicando aqui.

Fonte de Pesquisa: Wikipédia

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

A Obsessão




Esse tópico é muito importante pois retrata uma realidade em diversas religiões e culturas. O "Grupo Espírita Bezerra de Menezes" formulou questões e respostas que se encontram no site "Portal do Espírito" (não deixe de visitar) e que tomamos a liberdade de "copiar" para o nosso blog (dando os devidos créditos) no intuito de divulgar ensinamentos e estudos da Doutrina Espírita.

O que é Obsessão?
A Obsessão é o domínio que alguns Espíritos adquirem sobre outros, quer encarnados ou desencarnados, provocando-lhes desequilíbrios psíquicos, emocionais e físicos É uma espécie de constrangimento moral de um indivíduo sobre outro. Pode ser de encarnado para encarnado, encarnado para desencarnado, desencarnado para encarnado e desencarnado para desencarnado. Essa influência negativa e irracional traz para as pessoas problemas diversos, o que as tornam enfermas da alma, necessitando de cuidados, como toda doença. Normalmente se faz tratamento das obsessões em centros espíritas kardecistas sérios.

Se a Obsessão é uma doença da alma, quais são seus sintomas?
A obsessão apresenta sintomas tais como: angústia, depressão, perturbação do sono (insônia ou pesadelos), mau humor, desinteresse pelo estudo ou pelo trabalho, isolamento social, pensamentos suicidas, desregramento sexual etc. Não se segue daí, que se conclua que todos os portadores desses sintomas estejam obsediados. Há diversas outras causas, conhecidas da ciência médica, que podem provocar sintomatologia semelhante.

E como se pode tratar essa doença espiritual?
A obsessão, sendo uma doença da alma, deverá ser curada definitivamente com a melhoria do indivíduo no campo moral e intelectual. O Espiritismo (doutrina de Allan Kardec) oferece tratamento seguro para essas doenças, pois trata o problema abordando os dois lados da vida. Se for um Espírito desencarnado, ele será chamado por meio de evocações particulares, nas reuniões sérias de intercâmbio espiritual, para uma conversa e conscientização do mal que está praticando. Do lado do encarnado, se cuidará de tratar com a evangelização (moralização) e pela fluidoterapia (aplicação de passes), levando-o ao entendimento do que precisa fazer para libertar-se do mal.

Como o Espírito recém-desencarnado recebe um novo envolvimento amoroso de sua esposa, ainda encarnada no mundo material? Ele não o aceita? Poderá interferir nessa relação? Há um tempo de espera, para que o cônjuge encarnado possa ter novo relacionamento sem magoar quem já desencarnou?

Quando o Espírito se desprende da carne, ele entra em uma outra
dimensão de vida que é a vida espiritual. Lá, terá um nova percepção das coisas, tendo um raciocínio mais livre, mais pleno, pois não está mais confinado aos limites da matéria. Compreende que viverá outros aprendizados e que os afetos deixados na vida terrena igualmente terão também experiências necessárias ao progresso individual e coletivo. Entretanto, se ele for um Espírito pouco adiantado, permanecerá preso ao seu mundo mental, vivenciando as situações que vivia quando em vida, principalmente se cultivou paixões e sentimentos de posse exacerbados.
Poderá com isso sofrer, se seus entes queridos agem com desinteresse afetivo por ele, se entram em disputa por heranças ou mesmo se seus "amores" interessam-se por outras pessoas. Poderá interferir na vida das pessoas, muitas vezes originando processos obsessivos.
Neste caso, deve-se procurar ajuda espiritual numa casa espírita kardecista, para que o problema seja devidamente equacionado. Claro, essas situações de perturbações são de exceção. Normalmente o que se observa é a compreensão por parte de quem partiu. Não há um tempo específico que seja adequado para que se tenha novo envolvimento amoroso. Vai depender da situação de cada criatura. Nas relações verdadeiras, sinceras e duradouras, geralmente quando um parte o outro permanece um bom tempo sem que encontre substituição em seu coração, quando não opta por permanecer sozinho. Entretanto, nas relações difíceis, que são maioria esmagadora no planeta, a perda não se constitui em problema. Todas essas coisas são regidas pelos sentimentos. O tempo, neste caso, é o que menos importa.


Gostaria de saber como se identifica uma obsessão de encarnado para desencarnado. E como se livrar disso?
Sabe-se que a obsessão é uma espécie de constrangimento de um Espírito sobre outro e que isso se dá através da lei das afinidades espirituais (vide pergunta 42). Portanto, as influências ruins podem partir dos encarnados para os desencarnados também. Geralmente isso acontece nas situações onde entre os dois indivíduos existe uma relação em desequilíbrio, tanto de "amor" quanto de "ódio". Pode parecer estranho que se afirme que relações de amor possam gerar processos obsessivos, mas o amor desmedido e possessivo entre duas pessoas (mesmo que seja entre mãe e filho), geram desequilíbrios os mais diversos. Se um deles desencarna é claro que o sentimento permanece o mesmo, a menos que um deles venha a se libertar dele através do esclarecimento. Da mesma forma nos casos de pessoas que desencarnam deixando heranças em que os herdeiros ficam insatisfeitos e não tinham boa relação de afeto com o desencarnado, gerando condições fluídicas mórbidas que envolvem os dois planos. A única forma de se livrar desses problemas é buscando o esclarecimento, procurando uma casa espírita que tenha experiência nesse tipo de atendimento. O tratamento espiritual, esclarecendo os envolvidos no processo, aliado à mudança de postura do indivíduo é a chave para os problemas espirituais de toda ordem.

A depressão pode estar relacionada com obsessão? Como?
Os processos obsessivos moderados e graves levam quase sempre a um estado mórbido mental, que favorece enormemente os estados depressivos, com toda a sintomatologia que esta doença produz. Entretanto, nem todos os quadros depressivos podem ser atribuídos às influências espirituais. Existem mecanismos orgânicos, decorrentes de falhas em sínteses hormonais que explicam científicamente a depressão. Evidentemente que mesmo nesses casos, pode haver influenciação espiritual por conta da atitude mental da criatura, embora não seja esse o agente causador do processo.

Há a possibilidade de ocorrer uma auto-obsessão, ou seja, de uma pessoa encarnada ser obsediada por ela mesma?


Sim, há essa possibilidade e não é rara. São pessoas

que se encontram numa condição mental doentia, atormentando-se a si mesmo. Vivem em um mundo de desarmonia interior e buscam culpar tudo o que há em sua volta, gerando cada vez mais sofrimentos para si mesma e para quem com ela convive. As causas geralmente residem nos problemas anímicos do indivíduo, ou seja, nos seus próprios dramas pessoais. São traumas, remorsos, culpas e situações provindas do seu mundo íntimo e que prejudicam sua normalidade psicológica. Certamente, por conta de sua atitude mental, entram em sintonia com ambiente espiritual de igual teor, o que agrava o quadro, embora não seja esta a causa determinante da enfermidade. Além da evangelização espírita, costumam-se beneficiar-se enormemente com as psicoterapias, no que devem ser estimulados.

Uma convulsão poderá ser sintoma de uma obsessão?
Geralmente as convulsões não são sintomas de obsessão (embora ela possa aparecer associada à enfermidade). As convulsões propriamente ditas são ocasionadas por falhas na estrutura orgânica do homem e necessita de tratamento médico especializado. As alterações do sensório ocasionadas por influências espirituais, não configuram convulsões com o cortejo clínico estudado pela ciência médica terrena. Portanto, há que se ter cautela ao lidar com pessoas que tem crises convulsivas e que querem tratar-se nas casas espíritas. Elas podem ser portadoras de enfermidade epiléptica e necessitam de avaliação médica. Crises de subjugação possuem algumas características das crises epilépticas, mas são bem diferentes. Na epilepsia quase sempre o paciente perde a consciência e desfalece, com movimentos motores involuntátios. Na crise de subjugação, não! Observa-se brusca mudança de comportamento e o perturbado pode cair ao chão, porém, não desfalece e comporta-se como se fosse uma outra pessoa.

Como devemos proceder junto a uma pessoa que está sob o império da fascinação?
Casos de fascinação são muito comuns entre encarnados, e mesmo dentro das casas espíritas que endeusam seus médiuns ou dirigentes. Antes de concluirmos se uma pessoa está sendo vítima da terrível fascinação, é preciso pesar na balança do bom senso. Levemos o problema ao exame de sociedades idôneas, que não estejam sob o domínio das nossas idéias, para opinarem. Se tivermos certeza da obsessão, devemos procurar orientar aquele que padece. Havendo abertura, temos que ir esclarecendo o enfermo aos poucos, fazendo-o ver a presença da má influência. O que acontece na maioria das vezes, é a existência. O espírita é orgulhoso e, geralmente, não aceita que esteja mal assistido. Nestes casos, o melhor é deixá-lo nas mãos da influência em que se compraz. Só aprenderá com a dor.

Créditos: Espírito.org

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Allan Kardec - O que é o Espiritismo (1859)

Muito dos visitantes do nosso blog, são iniciantes na doutrina espírita e por isso ainda não conhecem muito bem o Espiritismo. Nós temos disponíveis, os livros básicos da Doutrina Espírita no nosso blog (acesse clicando aqui) porém, eles podem ser complexos a uma "primeira vista".

A obra trata, de forma resumida, da definição do Espiritismo, vindo logo em seguida a "O Livro dos Espíritos", justamente para promover uma mais rápida explanação da Doutrina que aquela outra trazia. É dividida em três diálogos, em que Kardec conversa com um crítico, um cético (livre-pensador), e um padre.
Traz, ainda, resposta à principais críticas apresentadas pelo opositores da doutrina, bem como a rápida análise da comunicabilidade dos Espíritos, da reencarnação e suas implicações morais.

Aqui estamos disponibilizando ele para download. Basta clicar no link abaixo e seguir os procedimentos básicos de download. Lembrando sempre, esse download gratuito visa a divulgação cultural, não deve ser jamais usado para fins comerciais!



segunda-feira, 11 de outubro de 2010

"Servicinhos"

"Antes sede uns para com os outros benignos."
Paulo (EFÉSIOS, 4:32)

"Grande massa de aprendizes queixa-se, por vezes,
da ausência de grandes oportunidades nos serviços do mundo.
Aqui, é alguém desgostoso por não haver obtido um cargo de alta relevância; além, é um irmão inquieto porque ainda não conseguiu situar o nome na grande imprensa.
A maioria anda esquecida do valor dos pequenos trabalhos, que se traduzem, habitualmente, num gesto de boas maneiras, num sorriso fraterno e consolador... Um copo d'água pura, o silêncio ante o mal que não comporta esclarecimentos imediatos, um livro santificante que se dá com amor, uma sentença carinhosa, o transporte de um fardo pequeno, a sugestão do bem, a tolerância em face de uma conversação fastidiosa, os favores gratuitos de alguns vinténs, a dádiva espontânea ainda que humilde, a gentileza natural, constituem serviços de grande valor que raras pessoas tomam à justa consideração.
Que importa a cegueira de quem recebe? Que poderá significar a malevolência das criaturas ingratas, diante do impulso afetivo dos bons corações? Quantas vezes, em outro tempo, fomos igualmente cegos e perversos para com o Cristo, que nos tem dispensado todos os obséquios, grandes e pequenos?
Não te mortifiques pela obtenção do ensejo de aparecer nos cartazes enormes do mundo. Isso pode traduzir muita dificuldade e perturbação para teu espírito, agora ou depois.
Sê benevolente para com aqueles que te rodeiam.
Não menosprezes os servicinhos úteis.
Neles repousa o bem-estar do caminho diário para quantos se congregam na experiência humana."

EMMANUEL
Livro: Vinha de Luz
Psicografia de Francisco Cândido Xavier

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Trabalho

"E Jesus lhes respondeu: Meu Pai obra até agora e eu trabalho também".
(JOÃO, 5:17.)

"Em todos os recantos, observamos criaturas queixosas e insatisfeitas.
Quase todas pedem socorro. Raras amam o esforço que lhes foi conferido. A maioria revolta-se contra o gênero de seu trabalho.
Os que varrem as ruas querem ser comerciantes; os trabalhadores do campo prefeririam a existência na cidade.
O problema, contudo, não é de gênero de tarefa, mas de compreensão da oportunidade recebida.
De modo geral, as queixas, nesse sentido, são filhas da preguiça inconsciente. É o desejo ingênito de conservar o que é inútil e ruinoso, das quedas no pretérito obscuro.
Mas Jesus veio arrancar-nos da "morte no erro". Trouxe-nos a bênção do trabalho, que é o movimento incessante da vida.
Para que saibamos honrar nosso esforço, referiu-se ao Pai que não cessa de servir em sua obra eterna de amor e sabedoria e à sua tarefa própria, cheia de imperecível dedicação à Humanidade.
Quando te sentires cansado, lembra-te de que Jesus está trabalhando. Começamos ontem nosso humilde labor e o Mestre se esforça por nós, desde quando?"

EMMANUEL
Livro: Caminho Verdade e Vida
Psicografia de Francisco Cândido Xavier

domingo, 3 de outubro de 2010

Revista Espírita

Depois de um certo tempo sem postagens, retomamos a atividade pelo menos "semanalmente" devido a uma complicação de horários.

Hoje estamos comemorando 206 anos do nascimento de Hippolyte Léon-Denizard Rivail, ou simplesmente, Allan Kardec, codificador das obras básicas do Espiritismo.
Além disso, estamos exatamente na 40ª postagem do blog! O que vem dando um grande retorno para nossas expectativas.

Lembrando sempre: Estamos abertos a sugestões de postagens, design, downloads e etc...
A mesma pode ser feita através de um comentário nas postagens, ou através de um email para:
nicolasqueiros@hotmail.com ou nonatosilva@globo.com

A postagem de hoje, vem fomentar os estudos alheios fornecendo links das famosas "Revistas
Espíritas". Periódico mensal, a Revista Espírita - Jornal de Estudos Psicológicos circulou pela
primeira vez em Paris, no dia 12 de janeiro de 1858, e foi publicada sob a responsabilidade direta de Allan Kardec até a sua desencarnação, ocorrida em 31 de março de 1869, passando, a partir de então, a ser administrada pelos seus continuadores até os nossos dias.

Allan Kardec transformou-a numa espécie de tribuna livre, na qual sondava a reação dos homens e a impressão dos Espíritos acerca de determinados assuntos, ainda hipotéticos ou malcompreendidos, enquanto lhes aguardava a confirmação, através do critério da concordância e da universalidade do ensino dos Espíritos.

Inúmeros capítulos dos livros básicos da Codificação, na íntegra ou com pequenas modificações, vieram à luz por meio da Revista Espírita. Através de suas páginas admiráveis desfilam os assuntos mais diversos, desde a fenomenologia mediúnica nos seus variados matizes, até as dissertações da mais pura moral evangélica, a vida no mundo espiritual, a sorte futura reservada aos que praticam e aos que não praticam o bem, a justiça da reencarnação, a bondade e a misericórdia divinas, enfim, os princípios fundamentais em que se assenta o Espiritismo.

Com quase sete mil páginas em sua versão brasileira, esta coleção compõe-se de doze volumes, referentes aos anos de 1858 a 1869, e faz parte das homenagens prestadas pela Federação Espírita Brasileira ao Codificador da Doutrina Espírita, pelo transcurso, em 2004, do Bicentenário de seu Nascimento. Hoje estamos homenageando Allan Kardec com mais essa divulgação!

NOTA: Para fazer download de qualquer uma dessas revistas, basta clicar num ícone de um "disquete" no canto superior esquerdo da janela que abrir! Depois só escolher em qual local do computador deseja salvar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...